Medir os níveis de vibração e pressão acústica é uma etapa fundamental para garantir a conformidade ambiental das atividades de empreendimentos como minerações, indústrias, e construções civis, bem como a segurança e o conforto das comunidades circunvizinhas.

Para a realização das medições, a TECHNOBLAST utiliza sismógrafos de engenharia de alta precisão, das marcas GEOSONICS e WHITE, fabricantes estes de referência no mercado internacional. Destaca-se que somos representantes autorizados destas marcas no Brasil para a revenda, assistência técnica e calibração certificada destes equipamentos.

O monitoramento sismográfico é prioritariamente realizado em pontos localizados em receptores críticos, como residências, hospitais, escolas, igrejas, entre outros, no entorno dos empreendimentos.

A TECHNOBLAST também elabora Programas de Monitoramento Sismográfico para apresentação ao órgão ambiental, determinando a metodologia de medição, a quantidade e a localização dos pontos de monitoramento, assim como os níveis de critério de avaliação a serem adotados conforme o zoneamento e características da região, a determinação da legislação vigente, a periodicidade sugerida de campanhas e de entrega de relatórios, etc.

O monitoramento sismográfico é essencial para o cumprimento das exigências legais de operação e para garantir a qualidade de vida das comunidades circunvizinhas. A TECHNOBLAST está comprometida em oferecer serviços de monitoramento de ruído de alta qualidade, utilizando equipamentos de precisão e seguindo as normas e diretrizes estabelecidas pela ABNT.

DETONAÇÕES

As detonações ou desmontes de rochas com uso de explosivos é uma das principais fontes de geração de vibração e pressão acústica, por ser inerente a esta atividade e podendo causar diversos danos à comunidade vizinha ou estruturas próximas da área de detonação.

A norma NBR 9653:2018, da ABNT, e a Norma Técnica D7.013/2015, da CETESB, são as principais normas brasileiras referente a esse assunto e estabelecem os procedimentos técnicos para o monitoramento e avaliação dos efeitos provocados pelo uso de explosivos próximo a áreas habitadas.

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

Muitas máquinas e equipamentos utilizados nas mais diversas obras podem gerar vibrações em níveis indesejáveis e provocar incômodos à comunidade ou causar danos a uma estrutura. Podemos destacar as atividades de cravação com o uso de “bate-estacas” e a compactação de solos com o uso de rolo compressor que podem gerar níveis de vibração elevados ou vibrações em baixa frequência, respectivamente, podendo gerar diversos transtornos a uma obra e a circunvizinhança. 

Como metodologia e normas a serem seguidas, destaca-se a Decisão de Diretoria nº215/2077/E da CETESB e a Norma alemã DIN 4150-3: 2016-12 (Vibration in buildings – Part 3 – Effects On Structures).

TRÁFEGO DE VEÍCULOS E PASSAGEM DE COMPOSIÇÕES FERROVIÁRIAS

O tráfego de veículos por vias lineares e a passagem de composições ferroviárias (metrô ou trens) podem gerar níveis de vibração indesejáveis a receptores críticos localizados próximos a estes locais. 

Estas vibrações que podem ocorrer de forma intermitente devem ser monitoradas para verificar uma possível contribuição destas vibrações em danos a estruturas da região. 

Como metodologia e normas a serem seguidas, destaca-se a Decisão de Diretoria nº215/2077/E da CETESB e a Norma alemã DIN 4150-3: 2016-12 (Vibration in buildings – Part 3 – Effects On Structures).

AMBIENTAL (FAUNA E CAVIDADES)

Diversas atividades geradoras de vibração ocorrem em áreas inóspitas, distantes de comunidades, porém, esses impactos podem ser relevantes para a fauna local ou causar danos a cavidades naturais como grutas e cavernas. 

No Brasil, não há legislação específica vigente para avaliar esses danos, porém, podemos destacar como referência a Norma alemã DIN 4150-3: 2016-12 (Vibration in buildings – Part 3 – Effects On Structures) e os documentos “Sismografia Aplicada ao Patrimônio Espeleológico” elaborados pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas (ICMBio/Cecav). 

Para maiores informações entre em contato através dos seguintes canais:

         

         E-mail: sismografia@technoblast.com.br

         
          Telefone / Whatsapp (11) 99869-8599 


Quer saber mais?

Entre em contato pelo WhatsApp

FAQ

Perguntas frequentes

R: A Norma ABNT NBR 9653:2018 é norma de referência no Brasil para realização de medições e avaliação dos riscos provenientes de atividades de desmonte de rocha com uso de explosivos na indústria de mineração e construção em geral, Para situações que envolvam riscos semelhantes, esta Norma deve ser aplicada. Esta norma estabelece limites de vibração e pressão acústica, porém, vale ressaltar que os órgãos estaduais ou municipais podem elaborar legislações específicas com outros critérios para avaliação desses aspectos ambientais em função das características de cada região.

R: Para realização de medições dos níveis de vibração e pressão acústica deve-se utilizar equipamentos que atendam o requisito 4.3 da Norma ABNT NBR 9653:2018. Em resumo, o instrumento de medição (sismógrafo de engenharia) a ser utilizado é um equipamento composto por um conjunto que compreende a unidade de processamento e armazenamento de dados, o transdutor de vibração (geofone /acelerômetro) e o transdutor de pressão acústica (microfone), univocamente identificados e calibrados em conjunto.

R: Sim! A calibração do instrumento de medição (sismógrafo de engenharia) deve ser realizada preferencialmente por laboratório de calibração integrante da Rede Brasileira de Calibração (RBC) dentro de um intervalo máximo de 12 meses. Alternativamente, o instrumento de medição pode ser calibrado em laboratório reconhecido por rede metrológica em âmbito estadual integrante do Fórum de Redes Estaduais.

R: As medições devem ser realizadas preferencialmente em receptores críticos no entorno do empreendimento, como residências, centros de saúde e escolas. Caso não haja receptores próximos às atividades da empresa, pode-se realizar medições nos limites do empreendimento.

R: As medições devem ser realizadas preferencialmente em receptores críticos no entorno do empreendimento, como residências, centros de saúde e escolas. Caso não haja receptores próximos às atividades da empresa, pode-se realizar medições nos limites do empreendimento.

Os sensores devem estar sempre voltados para o local da detonação ou, pelo menos, para o ponto central da área de detonação, tanto para medições realizadas dentro ou fora do empreendimento. Quando a medição for executada junto ao limite da área de operação do empreendimento, instalar os sensores no ponto onde presumivelmente deve ser atingido o maior valor de pico de vibração e/ou de pressão acústica.

R: Qualquer empreendimento, tais como minerações, indústrias, construções civis, obras de infraestrutura, etc., que gere vibrações transmitidas pelo terreno ou ondas de pressão acústica transmitidas pelo ar que atinjam comunidades ou edificações externas à área de operação do empreendimento devem ter suas atividades monitoradas periodicamente O monitoramento dos níveis de vibração e pressão acústica comprova o atendimento aos limites estabelecidos pela legislação ambiental vigente e/ou demonstra a necessidade da adoção de alguma medida de mitigação.

R: As medidas de controle e de mitigação variam em função das características de cada fonte de vibração e/ou de pressão acústica e do nível de atenuação necessária para minimizar ou adequar os resultados registrados nos receptores críticos aos limites normativos. Em se tratando de desmontes de rocha com explosivos, normalmente faz-se necessário o ajuste de alguns dos parâmetros constantes do Plano de Fogo utilizado em cada situação. Ressalta-se a importância da contratação de empresas especializadas para medições dos níveis de vibração e de pressão acústica e proposição de medidas de controle e mitigação.